João Gomes - Mobiletric

João Gomes

Director Geral da Mobiletric

João Gomes é o actual Director Geral da empresa Mobiletric e o convidado da PARTTEAM, para partilhar a sua história e o seu percurso profissional, na série Connecting Stories.

Além do desenvolvimento e gestão da rede pública de carregamento rápido, a Mobiletric oferece serviços de mobilidade para clientes empresariais, com toda a sua oferta baseada em veículos 100% eléctricos.

Conheça em exclusivo, a história de João Gomes e da empresa Mobiletric.

1. Fale-nos um pouco sobre a sua jornada e sobre a sua experiência profissional. Como surgiu o seu interesse pela indústria da mobilidade eléctrica ?

Depois de terminar o curso de Administração e Gestão de empresas na Católica tive a oportunidade de ingressar numa carreira de consultoria de alta direcção.

Passei por grandes escolas e tive a oportunidade de enfrentar desafios de forma muito acelerada e que me fez ir crescendo na curva de maturidade e aprendizagem.

Toda a experiência, apesar de muito variada, teve duas constantes Energia e Telecomunicações – sectores onde me especializei e aprofundei perspectivas.

Com os chegar dos 30, tive a noção que não queria estar em consultoria o resto da vida. Era uma etapa interessante, mas não totalmente satisfatória.

2. A Mobiletric apresenta-se como uma empresa fornecedora de serviços de mobilidade, com toda a sua oferta baseada em veículos 100% eléctricos. Como surgiu a Mobiletric ? O que fazem e o que esperam do futuro ?

A Mobiletric surge em 2015 pela união de vontades de dois grandes accionistas – a CSANTOS VP e o Grupo Renovatio – juntando assim, conhecimento do mundo “automóvel” e do mundo da electricidade (em particular renováveis e redes de mobilidade elétrica).

A Mobiletric é e pretende ser um agente da transformação para uma mobilidade 100% eléctrica, para tal, desenvolve três grandes actividades: gestão de rede pública de carregamento, oferta de soluções de renting (de carros, carregadores e energia) e oferta de soluções de carregamento para profissionais (p.e. para UBERs).

Apesar do estado embrionário do mercado de mobilidade eléctrica, estamos numa fase forte de investimento, acreditamos que é necessário criar as condições para que as pessoas confiem no carro eléctrico e o usem de forma normal.

Quando perspectivamos o futuro, mais do que as grandes tendências vemos o que podemos fazer para os próximos seis meses, e nesse horizonte, esperamos (temos quase a certeza) que os carregamentos já serão cobrados na via pública e presentes num mercado internacional (estamos em fase de negociação e detalhe da abertura de uma operação noutro país) e que a nossa equipa continue mobilizada para construir soluções.

3. A mobilidade eléctrica é uma realidade recente, mas em grande crescimento, que tem o potencial de catalisar o desenvolvimento integrado de novas tecnologias. Qual considera ser o maior desafio para a indústria da mobilidade eléctrica, em Portugal e no Mundo ?

A mobilidade eléctrica desafia três mercados maduros – o retalho automóvel, o retalho de electricidade e o retalho de combustíveis brancos – sendo caso tenha sucesso comercial, nada irá ficar igual nesses mercados.

Por isso, existe uma inércia natural, que na minha opinião, deve ser combatida de forma positiva, com novos modelos de negócio e formas distintas de criar valor para o cliente e para as empresas.

Demonstrar ao cliente que pode utilizar um carro eléctrico, que o seu dia-a-dia não será penalizado e que no final a sua satisfação cresce é o grande desafio da mobilidade eléctrica.

Numa primeira fase, necessitamos de um forte investimento nas infraestruturas de carregamento públicas e privadas e tendo estas em marcha é necessário apresentar novos modelos de negócio – baseados em utilização, menos onerosos em termos de investimento, mais flexíveis na troca.

O carro eléctrico não vai ser um Diesel 2.0, abre possibilidades de geração de valor na ligação viatura-carregamento-energia.

Construir este ecossistema, é o grande desafio, que irá gerar, por exemplo para um País altamente de dependente de energia como Portugal, aumento da descarbonização e consequentemente menor pegada ambiental e menor dependência de fontes externas de energia.

4. Gostaríamos de saber qual é a sua opinião sobre o visionário Elon Musk ?

Pessoas como o Elon Musk emprestam a sua visão e audácia aos projectos em que se envolvem. De forma mais recente e notada à Tesla – todavia, tem desde o sistema de pagamentos, viagens e transporte espacial e/ou produção de electricidade (solar tiles), demonstrado toda essa visão.

Creio que é bom ser contemporâneo de pessoas com esta capacidade, mas mais do que a sua visão ou genialidade, admiro a sua resiliência.

Sem dúvida, na indústria automóvel, existirá o antes e depois de Elon Musk.

Provou que independentemente, da Tesla vir a futuro a ser um sucesso ou “engolida” por um fabricante tradicional (p.e. devido às perdas acumuladas massivas), era necessário investir na mobilidade eléctrica; que era possível e que afinal todos se atrasaram e vão ter de correr muito.

Creio que a Tesla, enquanto fabricante de automóveis, é ainda pueril na qualidade de fabricação e não compara com a média da indústria; prevejo que a 3-5 anos a Tesla venha a integrar (fusão ou comprada) por um dos actuais líderes da indústria automóvel.

5. A mobilidade eléctrica, é essencial para garantir a sustentabilidade ambiental. Na sua opinião, qual é, ou será o impacto da mobilidade eléctrica, para a sustentabilidade do mundo ?

A mobilidade elétrica é o segundo grande passo para a descarbonização da nossa sociedade e tecido económico; sendo que o primeiro foi a passagem a escala industrial e paridade de rede das energias renováveis.

O puzzle da sustentabilidade faz-se de pequenas acções concertadas, a mobilidade eléctrica vai ajudar a reduzir o peso dos hidrocarbonetos no sector dos transportes, e por isso, reduzir emissões e esperemos que numa fase mais madura, possa também contribuir para um uso mais racional da energia (através da adequação de usos a percursos).

Caso a mobilidade eléctrica se torne uma solução de mercado aceite, teremos sem dúvida maior capacidade de tornar a nossa Sociedade mais sustentável – quer em termos ambientais, quer até de paridade entre as pessoas.

6. Conscientes de que o futuro para uma mobilidade sustentável, passa pela mobilidade eléctrica, a PARTTEAM consegue desenvolver postos de carregamento eléctricos, em mupis digitais. Qual é a sua opinião sobre esta solução tecnológica ? De que forma, pode esta tecnologia ser uma vantagem para o futuro das Smart Cities ?

As Smart Cities fazem-se de pequenos sistemas inteligentes que permitem reduzir os recursos consumidos, reduzir os tempos de utilização e aumentar a satisfação dos utilizadores.

Logo, pensar em (oferecer) tecnologias “self-service” inteligentes ou com interacção mais “humanizada” é uma forma de potenciar o sucesso da experiência de carregamento do carro eléctrico.

Tenho a certeza de que a PARTTEAM vai ter retorno relevante dessa oferta, uma vez que permite a operadores de postos de carregamento, como a MOBILETRIC, melhorar a experiência do seu utilizador; e permite, ainda, a pessoas como as da nossa equipa, desenvolver novos serviços e novas formas de estabelecer o modelo de negócio.

As cidades do futuro vão fazer-se destas soluções, com capacidade de disseminar informação e serviços – de forma simples, gerida e comunicada.

Wattdream - Solução de Carregamento de Veículos Eléctricos da PARTTEAM:
WattDream - PARTTEAM WattDream - PARTTEAM WattDream - PARTTEAM

Connecting Stories, é um novo espaço editorial conduzido pela PARTTEAM, que consiste na realização de entrevistas exclusivas, direccionadas a personalidades influentes, que actuam em diferentes sectores de actividade.
O projecto que foi idealizado pela PARTTEAM, contempla a publicação de histórias de sucesso, por meio de pequenas entrevistas a influenciadores que queiram compartilhar detalhes sobre os seus projectos, opiniões, planos para o futuro, etc.
A ideia é conectar histórias, partilhar conhecimento, desenvolver networking e gerar conteúdos que possam fornecer novas visões, oportunidades e ideias.

Sobre a PARTTEAM

Fundada em 2000, a PARTTEAM é uma empresa portuguesa de TI mundialmente reconhecida, fabricante de quiosques multimédia de interior e exterior, equipamentos self-service, mupis digitais, mesas interactivas e outras soluções digitais, para todos os tipos de sectores e indústrias. Para saber mais acerca da nossa historia clique aqui.

Últimas Entrevistas

Para Trás